Histórias
 
 
 
BANCO DE EMPREGOS - Por Célia Dias Souza
"Minha história com a Associação Aviva começou assim: A Associação recebeu um e-mail de uma escola particular, bilíngue, que estava contratando berçarista. Era a Escola do Futuro. Eu trabalhava como educadora em uma creche. Meu sonho era trabalhar com ensino fundamental. Então, enviei meu currículo. Tudo cooperou para o meu bem. Consegui a vaga! Comecei como berçarista, terminei minha graduação e, no ano seguinte, fui promovida a professora assistente. Entrei na escola em 2009 e, há 4 anos, estou como professora titular do 2º ano, ensino fundamental. Só tenho a agradecer a Deus e a Associação Aviva pela oportunidade e por este trabalho maravilhoso!!!

São Paulo, fevereiro de 2017
 
REVIVA | Benedito Lopes Soares
Num certo dia, Deus mandou uma "família" no lugar onde eu morava, um albergue para moradores de rua, no bairro da Vila Leopoldina, em São Paulo. Esta "família" foi o Grupo de Apoio Reviva. Eles não só falaram, como mostraram as maravilhas que Deus fez por eles. Eu era envolvido com tudo, principalmente com drogas, mas este Homem, que recebe o nome de Jesus, foi e sempre será o Homem das causas impossíveis. Como me ensinaram, "para Ele, o impossível é café pequeno"! E Ele trabalhou na minha vida através do Reviva. Não consigo mais me ver da maneira que eu era antes.

Às vezes, eu me lembro das pessoas que conviviam comigo nas ruas e oro por elas. Eu sofria como elas e hoje eu não sofro mais. Fui resgatado! Foi a minha decisão, com o poder de Jesus e o esforço do Grupo Reviva! Hoje eu choro de tanta emoção, fico realmente emocionado de ter uma vida digna, como um ser humano. Eu não vivia, eu literalmente vegetava. Fui ver minha família biológica outra vez. E acredito que irei outras vezes. Eu estou muito contente. Encontro meus irmãos do albergue e eles me dizem: "Como você mudou!" Me sinto feliz, grato e emocionado!

Agora, tenho meu cantinho pra morar. Minhas coisas, minhas roupas! Tenho até uma geladeira! Olho para ela e nem acredito! Que bom que o Reviva foi até mim e teve paciência comigo!

São Paulo, fevereiro de 2017
REVIVA | Eduardo da Silva
"Meu nome é Eduardo e eu tenho 50 anos. Quando eu tinha meus 17 anos, experimentei cocaína. Alguns anos mais tarde, percebi que eu não era um simples viciado, me tornei um dependente de cocaína. Depois de alguns anos, a mãe do meu filho nos largou. Quando isso aconteceu, comecei a levar o meu filho para buscar droga comigo.

Nessas idas e vindas, entrei no crack, depois de 25 anos na cocaína. Passaram-se 5 anos de dependência do crack e passei a morar na rua. Enquanto isso, meu filho conheceu uma garota de Campinas. Esse foi o começo de tudo, que me levou a entregar minha vida para Jesus. Meu filho casou-se com ela e logo se converteu ao Evangelho. Na igreja onde ele congrega, ele falou sobre meu problema e começaram a orar por mim.

Passou algum tempo e minha mãe faleceu. Não fui ao seu enterro porque estava drogado, na favela. Passaram-se mais ou menos 6 meses da morte da minha mãe, num certo dia, quando cheguei em casa, meus irmãos não me deixaram entrar. Falaram que iam me internar. Eu disse que internação não adiantava. Então, eles me perguntaram "o que eu queria?" - Eu disse: Deixa eu entrar para tomar um banho e vou ali naquela igreja da Imperatriz Leopoldina ( hoje na Av. Mofarej ).

Chegando na igreja, era uma quarta feira, um pastor se apresentou para mim e me perguntou o que eu queria. E eu respondi que precisava de ajuda, pois eu era um dependente de crack. Ele orou por mim e me perguntou se eu queria entregar meu coração para Jesus. Eu disse a ele: "Não só o meu coração, mas eu me entrego todo!" Naquele momento, Jesus me ressuscitou. Não tive abstinência, mesmo depois de 30 anos nas drogas. Comecei a frequentar o Grupo Reviva, nas quintas feiras.

Hoje, em fevereiro de 2017, são 2 anos e 4 meses que eu estou vivendo debaixo da Gloria de Deus. Sou diácono e funcionário da Igreja Batista Palavra Viva. E o meu filho é líder dos jovens na igreja onde ele congrega e prega a Palavra de Deus. Obrigado! Deus é fiel!"

História do Eduardo da Silva.
 
 
CLÍNICA MÉDICA | Muriel Oliveira
Eu comecei a namorar o Renato com 17 anos e nessa mesma época descobri que tinha SOP ( Síndrome de Ovário Policístico ) nos dois ovários. Essa síndrome impede a ovulação. Tanto que eu só mestruo duas vezes ao ano. SOP é uma das causas da esterilidade. Para complicar, na ultrassonografia foi encontrado uma deformação no meu útero, eu tinha útero bicorno. Essa deformidade é quando o útero é dividido. Existem casos mais leves, onde ele é apenas arqueado ou, em outros casos a divisão é bem pequena. No meu caso ele era totalmente dividido. Essa notícia foi um baque para mim.

Sempre orei para que Deus me curasse. Todos os meses eu fazia testes e sempre davam negativo e era aquele sofrimento. Passado algum tempo, a Associação Aviva começou a fazer as Clínicas Médicas. Eu passei em consulta com o ginecologista, Dr. Alberto. Cheguei sem esperança nenhuma. Levei meus laudos médicos, eram cinco no total. Ele olhou, leu e me falou: " esquece tudo isso o que está escrito aqui.

Não porque meus colegas estejam errados, mas porque servimos um Deus que contraria qualquer exame". Nesse momento, chorei muito! Ele me passou um medicamento chamado Selene, é um anticoncepcional para tratamento de SOP. Usei por seis meses. Não tivemos o resultado esperado.

Ele sempre muito atencioso comigo, falou: "Vamos fazer um outro tratamento. De fé e oração". Todos os meses eu ia na Clínica Médica e ele me examinava e orávamos. Minha menstruação começou a vir regularmente, ou seja, eu comecei a ovular. Nessa mesma época teve um Encontro de Mulheres, no dia 24/09/2004. E eu fui. Lá, a Pastora Marluce orou por mim, contra espírito de esterilidade e me disse que se eu marcasse meu casamento - porque nós apenas morávamos juntos - Deus me daria meu filho. Saí de lá decidida a casar dia 18/12/2004.

Duas semanas depois, teve outra Clínica Médica, e como sempre, eu fui. Dr. Alberto me examinou como de costume e eu contei o que havia acontecido no Encontro. Ele, como de costume, orou e disse que ainda no ano de 2004 eu engravidaria. Comecei os preparativos para o casamento. Em novembro de 2004 descobri que estava grávida. Na semana que descobri, teve a Clínica Médica novamente e eu contei ao Dr. Alberto.

Eu contei para ele que o médico disse para eu não me empolgar, porque eu o perderia. O Dr. Alberto falou que Deus tinha me dado, e não me tiraria. Mais uma vez, orou. E hoje, em 2017, para honra e glória do Senhor, meu filho, o Juan, vai fazer 12 anos!

Tenho mais dois filhos, o Nathan de 6 anos e a Alícia de 2 anos!
 
 

Todos os direitos reservados ® 2013 | Política de Privacidade

Designer Patrick Rebouças :: Rising Comunicação